#INTERNACIONAL

Usher retorna mais incrível do que nunca em “Coming Home”

Compartilhe nas suas redes sociais

Prestes a quebrar tudo com seus maiores hits no Super Bowl, Usher lançou o aguardado álbum “Coming Home” nesta sexta-feira (9). O novo projeto de estúdio do artista é uma grande celebração do R&B de mais alto nível e traz feats de peso em letras essencialmente românticas, que reafirmam a grandiosidade e versatilidade do cantor em suas três décadas de carreira.

Com músicas ao lado de Burna Boy, Summer Walker, 21 Savage, Latto, The-Dream, H.E.R., Pheelz e até mesmo a sensação sul-coreana Jung Kook, o trabalho conta com 20 faixas que, em pouco mais de uma hora, passeiam por referências bem atuais de diferentes estilos.

Grandes acertos

“Coming Home” já começa surpreendendo ao apresentar a deliciosa faixa-título na voz do cantor nigeriano Burna Boy. Com letra e melodia sensuais, Usher lembra ao grande público que seus vocais continuam em dia e mais afinados do que nunca aos 45 anos de idade.

No decorrer do trabalho, é notável que a adição de nomes de peso do rap traz o complemento que um álbum tão extenso precisa. “Good Good”, lead single que já é conhecido pelos fãs desde agosto de 2023, é a prova viva disso.

I hate that we ain’t make it to forever
Probably ain’t gettin’ back together
But that don’t mean that I can’t wish you better
We ain’t good good, but we still good

Refrão de “Good Good”, lead single do novo álbum de Usher

Com participação de Summer Walker e 21 Savage, a faixa tem um refrão memorável e cativante, que é perfeitamente equilibrado com os vocais de Summer ao fundo e, em seguida, uma mudança acertada de ritmo com os versos de 21.

O mesmo ocorre com a emocionante “Risk It All”, música da trilha sonora do filme “A Cor Púrpura” (2023). Com um piano acompanhando a letra, Usher e H.E.R. – que também escreveu e produziu a canção – casam suas vozes em um dueto romântico extremamente harmonioso e terapêutico.

E falando em colaboração, para fechar os grandes destaques de “Coming Home”, é impossível não mencionar “Standing Next to You”, com Jung Kook. A faixa é originalmente do cantor sul-coreano, mas com os vocais de Usher envolvidos ganha uma camada ainda mais especial de serotonina.

Personagens já conhecidos

Em termos de ritmo, o sucessor do “Hard II Love” (2016) dá um show. Nas faixas, é perceptível o quão atualizado Usher parece com os sons que mais estão fazendo sucesso nas paradas musicais. E isso é feito sem perder a essência de sua obra, que vem dominando o mundo a cada novo projeto lançado.

Ao mesmo tempo em que o álbum clama seu viço, também é possível notar que o cantor resgata personagens já conhecidos em discos passados – o que não é necessariamente um problema, mas demonstra pouca expansão criativa nas histórias que as letras contam.

“Please U”, “Cold Blooded”, “On The Side”, “BIG” e “A-Town Girl”, por exemplo, falam de personas que podem ser associadas a outras canções do repertório do cantor, parecendo somente estar rearranjadas em um novo plano de fundo sonoro.

Soul train, how you pull on my heartstrings, oh-oh (dollars, dollars, dollars)
And every time I try and make it better, end up regrettin’ things, oh-oh (dollars, dollars, dollars)
I don’t wanna turn my back on all this love we had (dollars, dollars, dollars)
No, I don’t wanna turn my back on all that love we made

Trecho de “Cold Blooded”, parceria de Usher com The-Dream

Ele é um garanhão sensual, dançante e apaixonado que sempre se arrepende de ser um bocado trapaceiro e não tão leal quanto gostaria. Ou seja, nada de novo sob o sol.

Consolidação

“Standing Next to You” é uma faixa agitada com sonoridade essencialmente pop. O mesmo ocorre com “Keep On Dancin’”, que é incrivelmente certeira quando o assunto é pista de dança. A canção relembra o tom festivo de “DJ Got Us Fallin’ In Love”, de 2010, com participação de Pitbull.

Mesmo sendo um mestre do R&B, o nono álbum de estúdio de Usher ressalta o que ele tem de mais incrível a oferecer para a indústria e para os fãs: sua versatilidade. Em “Coming Home”, Usher passeia por referências do pop africano, pop sul-coreano, trap, soul e ainda brinca com melodias mais alternativas – sem deixar de lado os bons falsetes e romantismo do cantor.

O projeto é uma grande celebração da grandiosidade musical do rapper, que com o passar dos anos se consolidou como um artista completo e ainda relevante, fazendo parte das memórias musicais mais afetivas de muita gente nas últimas três décadas.

Super Bowl em chamas

“Coming Home” é, sem dúvidas, um excelente álbum de retorno para Usher, que estava há oito anos sem lançar um novo disco de estúdio. Com hits bem construídos, o astro ampliou ainda mais seu repertório para a tão aguardada apresentação no Super Bowl, que ocorre neste domingo (11).

Várias faixas do novo projeto merecem destaque no show, mas é mais seguro apostar na aparição de “Good Good” no setlist – por ser o lead single do álbum recém-lançado.

Com uma carreira repleta de hits que marcaram gerações, espera-se nada mais, nada menos do que um espetáculo nostálgico e à altura de Usher, que além de um excelente cantor também é um dançarino de dar inveja.

Curiosidade a mil

E então, você já ouviu o “Coming Home”? Quais faixas merecem destaque no Super Bowl? Qual será o setlist do cantor para a grande noite de sua carreira?

Equipe: Bombou-Brasil

Fonte: Queek POP News

**Atenção**
Caso, não concorde ou não queira, que o conteúdo da fonte seja replicado nesse site. Entre em contato com faleconosco@bomboubrasil.com e solicite a retirada – Sua solicitação será atendida em ate 48 horas úteis.


Compartilhe nas suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *